Categorias
Últimas Notícias

Mesa de negociação com a Caixa será nesta terça (11)

Na próxima terça-feira (11), às 10h, acontece a Mesa Permanente de Negociação entre a Comissão Executiva dos Empregados (CEE) da Caixa e a direção do banco. Entre os assuntos da pauta a serem discutidos estão o pagamento correto da Participação nos Lucros e/ou Resultados (PLR), lançamento do desconto no dia de paralisação, vacina contra Covid-19 e por mais contratações.

Segundo a coordenadora da CEE/Caixa, Fabiana Uehara Proscholdt, essa reunião depois da paralisação dos empregados que aconteceu no dia 27 de abril será importantíssima. “São muitas questões a serem tratadas. Existem assuntos que estão pendentes de outras mesas de negociação, como o pagamento da PLR Social, e esperamos a resposta da direção do banco. Também vamos discutir a orientação da direção do banco para que os empregados homologassem o dia de paralisação como falta injustificada. É um desrespeito ao nosso direito de greve.”

O integrante da CEE/Caixa e diretor do Sindicato dos Bancários do ABC Paulista, Jorge Furlan, ressaltou que o dia de paralisação foi confirmado por decisão judicial após a Caixa ingressar com pedido de Tutela Cautelar Antecedente no Tribunal Superior do Trabalho (TST). “A direção da Caixa alegou que a paralisação era abusiva, mas o ministro do TST [Maurício José Godinho] indeferiu o pedido, garantindo o direito de greve aos trabalhadores.”

Veja a pauta encaminhada ao banco pela CEE/Caixa

  • PLR Social;
  • Dia de paralisação 27/Abr;
  • Dotação e pagamento de Hora Extra;
  • Protocolos Covid-19;
  • Alteração nos normativos;
  • Objetivos Smart da VIRED;
  • Reestruturação;
  • Não exposição de “Nome e Sobrenome” de funcionário em SMS de avaliação de atendimento;
  • Inibir que empregados atuem fora da agência (após a porta giratória);
  • Debate CR444 (PQV);
  • Lives durante horário de atendimento;
  • PSIs (transparência);
  • Canal de denúncias de violência doméstica às empregadas;
  • Sindicalização;
  • Promoção por mérito;
  • Contratações;
  • Acordo de Teletrabalho e Banco de Horas.

Fonte: Contraf-CUT

Categorias
Últimas Notícias

Bradesco lucra R$ 6,5 bilhões, no 1º trimestre de 2021

O Bradesco teve Lucro Líquido Recorrente, que exclui efeitos extraordinários no lucro, de R$ 6,5 bilhões, no 1º trimestre de 2021. Os números representam uma alta de 73,6% em relação ao mesmo período de 2020 e queda de 4,2% no trimestre anterior (o Lucro Líquido Recorrente no 4º trimestre de 2020 foi de R$ 6,8 bilhões). Mesmo com o excelente resultado, o banco fechou 8.547 postos de trabalho em doze meses e 888 no trimestre. Em doze meses, foram fechadas 1.088 agências e abertas 700 unidades de negócios totalizando 3.312 agências e 766 unidades de negócio.

“Mesmo com a redução do quadro de funcionários o lucro reflete o compromisso dos funcionários, que em plena pandemia, têm redobrado os esforços para que possa o banco alcançar resultados tão bons. Por isso, eles precisam ser valorizados”, afirmou Magaly Fagundes, coordenadora da Comissão de Organização dos Empregados do Bradesco.

O retorno sobre o Patrimônio Líquido médio anualizado do banco (ROE) foi de 18,7%, com alta de 7,0 pontos percentuais (p.p.) em doze meses. Segundo o relatório do banco, o crescimento observado no resultado, em relação ao 1T20, é reflexo de menores despesas com PDD no período e da redução das despesas operacionais, além do aumento da margem financeira com clientes e mercado e do resultado das operações de seguros.

A Carteira de Crédito Expandida do banco cresceu 7,6% em doze meses, atingindo R$ 705,2 bilhões. As operações com pessoas físicas (PF) cresceram 13% no período, totalizando R$ 270,2 bilhões, com destaque para o financiamento imobiliário (+38,1%), o crédito consignado (+11,5%) e o crédito rural (+9.3%). As operações com pessoas jurídicas somaram R$ 434,9 bilhões no país, com alta de 4,6% em doze meses. Nesse segmento destacaram-se o capital de giro (+30,7%), o crédito imobiliário (14,5%) e o CDC/ Leasing (+9,2%).  O Índice de Inadimplência para atrasos superiores a 90 dias caiu 1,2 p.p., ficando em 2,5% no 1º trimestre. As despesas com provisão para devedores duvidosos (PDD) foram reduzidas em 35,7% em relação ao mesmo período de 2020, totalizando R$ 4,7 bilhões em março de 2021.

A receita com prestação de serviços e tarifas bancárias caiu 2,9% em doze meses, totalizando R$ 6,5 bilhões. As despesas de pessoal considerando a PLR, por sua vez, caíram 4,6%, somando R$ 4,8 bilhões. Com isso, a cobertura destas despesas pelas receitas secundárias do banco aumentou para 135,75% no período.

Fonte: Contraf-CUT

Categorias
Últimas Notícias

Itaú lucra 6,4 bi no 1º trimestre de 2021

O Itaú obteve um Lucro Líquido Recorrente Gerencial, que exclui efeitos extraordinários no lucro, de R$ 6,4 bilhões, no 1º trimestre de 2021. O resultado representa alta de 63,5% em relação ao mesmo período de 2020 e de 18,7% no trimestre. Esses números dão ao banco uma rentabilidade (retorno recorrente consolidado sobre o Patrimônio Líquido médio anualizado do banco – ROE) de 18,7%, alta de 4,7 pontos percentuais em doze meses.

“É impressionante como mesmo numa das maiores crises que o Brasil atravessa, os bancos continuam lucrando tanto. Mostra a falta de compromisso do sistema financeiro com o país. Mais do que isso, mostra que precisamos urgentemente de leis para por um freio na ganância dos bancos”, afirmou Jair Alves, coordenador da Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Itaú, ao apontar que foram fechadas 115 agências do Itaú no Brasil, em doze meses.

Exploração dos funcionários e do país

Neste mesmo período, a receita do banco com prestação de serviços e tarifas bancárias chegou a R$ 10 bilhões, valor 59,8% maior do que as despesas que o banco teve nos 12 meses com seus funcionários (R$ 6,2 bilhões), que trabalharam para que o banco obtivesse a receita de R$ 10 bi.

Ao final de março de 2021, a holding contava com 84.415 empregados no país, com abertura de 2.308 postos de trabalho em doze meses e 496, no trimestre. Esse saldo se deve a contratações para a área de TI e à incorporação, a partir do segundo trimestre de 2020, dos empregados da ZUP (empresa de tecnologia adquirida em outubro de 2019).

“Quem olha apenas os números pensa que o Itaú está contratando funcionários. Mas, a verdade é outra. O saldo positivo no quadro de funcionários se deu por causa da incorporação dos funcionários da ZUP. Inclusive, há menos de um mês nos reunimos com o banco para solicitar a suspensão das demissões”, afirmou o coordenador da COE do Itaú, ao se referir a reunião do dia 16 de abril.

Fonte: Contraf-CUT

Categorias
Últimas Notícias

Consulta ao resultado da promoção por mérito dos empregados da Caixa está disponível nos sistemas corporativos

Os empregados da Caixa já podem consultar nos sistemas corporativos o resultado da Promoção por Mérito de 2020. A conquista do primeiro delta, promoção por progressão na carreira, está garantida para quem não tem impedimentos. O trabalhador pode verificar ainda se receberá o segundo, conforme previsão do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT). Cada delta representa um acréscimo de cerca de 2,34% no salário-padrão dos empregados.

A Promoção por Mérito de 2020 foi uma conquista importante para os empregados. Inicialmente, a direção da Caixa havia proposto a distribuição de um delta, e apenas aos empregados enquadrados como excepcional ou superior na Gestão de Desempenho de Pessoas (GDP), enquanto os representantes dos empregados na Comissão, indicados pelas entidades, defendiam que fosse distribuído um delta a todos os empregados, em função do trabalho desenvolvido ao longo do ano, que garantiu o acesso da população aos programas sociais.

Depois de muitos debates, a Comissão Paritária formada por representantes dos empregados e da Caixa, em consenso, estabeleceu como critério que todos os empregados elegíveis (que não estivessem enquadrados nos impedimentos previstos pelo MN RH 176) receberiam um delta. Em caso de disponibilidade orçamentária, após essa distribuição, os melhores classificados na GDP 2020 receberiam o segundo delta.

O coordenador da representação dos empregados no GT, João Paulo Pierozan, lembra que as negociações começaram tarde, principalmente por falta de agenda da Caixa para as reuniões com a Comissão Paritária e reforça a luta pela manutenção da Promoção por Mérito. “As negociações foram difíceis e começaram tardiamente, somente em dezembro de 2020, ano-base para aplicar os critérios que seriam negociados e finalizados somente em janeiro de 2021. O importante foi termos mantido a promoção por Mérito, uma grande conquista para os empregados. Em 1995 houve a interrupção do processo, imputando aos trabalhadores grandes prejuízos. O processo foi retomado somente em 2008, com regras claras, onde o empregado consegue vislumbrar a progressão de carreira no Plano de Cargos e Salários”, destacou o coordenador da representação dos empregados no GT, João Paulo Pierozan.

“Mais uma vez registramos o absurdo da Caixa fazer o lançamento da Promoção por Mérito no último dia do mês. Não está claro qual foi a dificuldade de ter feito isso no dia 20 junto com o salário. Por isso, já solicitamos a marcação de uma reunião do GT de Promoção por Mérito para começarmos as tratativas o quanto antes referente aos critérios deste ano. Queremos evitar o afogadilho do ano passado”, afirmou Fabiana Uehara Proscholdt, coordenadora da Comissão Executiva dos Empregados da Caixa (CEE/ Caixa) e secretária da Cultura da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT).

Confira como ficou a distribuição do delta:

1º delta: distribuição de 1 delta linear para todos os empregados Caixa elegíveis e que não possuem impedimentos em 2020, previstos no RH 176.

Os empregados não devem apresentar as situações abaixo:

  • Menos de 180 dias de efetivo exercício;
  • Aplicação de penalidade de suspensão;
  • Censura ética;
  • Advertência, tendo recebido outra nos últimos 5 anos;
  • Contrato de trabalho suspenso;
  • Contrato de trabalho extinto;
  • Faltas não justificadas.

2º delta: distribuído para os empregados Caixa, que estiverem enquadrados no resultado Excepcional, até o limite orçamentário.

Os critérios para desempate, caso necessário, serão:

  • Maior nota no eixo Resultado;
  • Maior nota no eixo Estilo;
  • Maior nota no bloco Competências;
  • Maior nota no bloco Capacitações;
  • Maior tempo de Caixa;
  • Maior Idade.

Fonte: Contraf-CUT

Categorias
Últimas Notícias

Três em cada quatro brasileiros perderam alguém para a covid-19

Ostentando a terrível posição entre os países campeões de mortes causadas pela covid-19 desde o início da pandemia, há mais de um ano os brasileiros vivem histórias tristes de perdas de familiares, amigos, colegas de trabalho. Levantamento realizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) indica que três em cada quatro brasileiros perderam alguém para a covid-19. Segundo a pesquisa Os brasileiros, a pandemia e o consumo, divulgada nesta segunda-feira (3), dos que sofrem com alguma morte causada pela pandemia do novo coronavírus 53% perderam um amigo, 25% um parente que mora em outra residência e 15% um colega de trabalho.

Diante do cenário em que o Brasil está mergulhado, com alto número de mortes e falta de vacinas, a pesquisa da CNI revela que 89% dos brasileiros consideram a pandemia no Brasil “muito grave” ou “grave”. Outros 6% a classificam como “mais ou menos grave”, enquanto apenas 10% dos brasileiros a tratam como “pouco grave” ou “nada grave”. Em julho de 2020, 84% das pessoas consideravam a pandemia “muito grave” ou “grave”.

Pode piorar

O Brasil conta mais de 407 mil pessoas mortas pela covid-19 e pode chegar a 575 mil mortes até 1º de agosto, segundo o cenário mais provável projetado pelo Instituto de Métricas de Saúde e Avaliação (IHME) da Universidade de Washington, nos Estados Unidos. “No pior cenário, o país atingirá 688,7 mil óbitos no mesmo período. O instituto também avalia que é possível a ocorrência de uma terceira onda a partir do final de maio”, relata o jornalista Leonardo Sakamoto.

“As projeções da Universidade de Washington estão bem precisas, pois a série histórica é estável. Até mesmo nossas insuficiências nas testagens estão refletidas”, afirmou à Sakamoto o epidemiologista Wanderson Oliveira, secretário de Serviços Integrados de Saúde do Supremo Tribunal Federal e e ex-secretário nacional de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde.

Muito medo

Além das perdas irreparáveis, os brasileiros vivem com medo, o que também pode levar a outros tantos tipos de adoecimento. O levantamento da CNI indica que 56% dos brasileiros possui atualmente um medo “muito grande” ou “grande” da covid-19.

“Em julho do ano passado, quando outro levantamento foi realizado, este porcentual era de 47%”, relata reportagem de O Estado de S. Paulo. “Entre 22% da população o medo atual da pandemia é classificado como ‘médio’ e 9% o qualifica como ‘pequeno’ ou ‘muito pequeno’. Em julho de 2020, 29% das pessoas diziam que o medo da pandemia era ‘médio’ e 10% que era ‘pequeno’ ou ‘muito pequeno’.”

Pandemia abala economia

Realizado pelo Instituto FSB Pesquisa, o levantamento da CNI entrevistou 2.010 pessoas com mais de 16 anos, nas 27 unidades da Federação, entre os dias 16 e 20 de abril. A margem de erro da pesquisa é de 2 pontos porcentuais, com intervalo de confiança de 95%.

Em nota à imprensa, o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, defendeu que “enquanto não houver uma vacinação em massa, a pandemia será motivo de grande preocupação para a população e continuará afetando o funcionamento das empresas, dificultando a esperada retomada da economia”.

De acordo com o consórcio de imprensa formado pelo EstadãoG1O GloboExtraFolha e UOL, dão conta de que 31.875.681 pessoas haviam recebido pelo menos a primeira dose de vacina contra a covid-19 até domingo (2). “O número corresponde a apenas 15,05% da população brasileira. Na prática, de cada 20 brasileiros, somente três já receberam uma dose da vacina. O porcentual de quem já recebeu as duas doses é de apenas 7,49% da população”, informa a reportagem.

Fonte: Rede Brasil Atual

Categorias
Últimas Notícias

Centrais encaminham grupo de trabalho tripartite para alavancar economia

O Fórum das Centrais anunciou após reunião virtual nesta segunda-feira (3) com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), o encaminhamento da criação de um grupo tripartite envolvendo Congresso, representantes dos trabalhadores e de confederações patronais visando criar propostas para a retomada econômica e consequente geração de empregos no país. O tema já havia sido acordado com presidente da Câmara, Artur Lira (PP-AL), na semana anterior.

A intenção é colocar o grupo em funcionamento o mais rápido possível, nas próximas semanas, a fim de começar a tratar de propostas concretas. Os trabalhadores serão representados pela Central Única dos Trabalhadores (CUT), Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Nova Central Sindical de Trabalhadores (NTSC), União Geral de Trabalhadores (UGT), Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB) e Força Sindical.

Dois dias antes da reunião, no sábado (1º), Dia do Trabalhador, as centrais fizeram um ato virtual unificado onde o emprego foi um dos temas centrais. De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, divulgada na sexta-feira (30) pelo IBGE, o total de desempregados subiu a 14,423 milhões no país, maior número da série histórica. São 400 mil a mais em um trimestre (crescimento de 2,9%) e 2,080 milhões em 12 meses (16,9%). A taxa média de desemprego no trimestre encerrado em fevereiro foi a 14,4%.

Auxílio emergencial e MP 1045

Outro ponto abordado na reunião foi a elevação para R$ 600 do valor da nova rodada do auxílio emergencial. Atualmente ele varia de R$ 150 a R$ 375. O Fórum das Centrais argumentou sobre a necessidade de o Congresso Nacional viabilizar o reajuste. Para isso, seria necessário um entendimento com o governo federal. Apesar de cientes da dificuldade para que isso ocorra, os representantes dos trabalhadores terão o reforço do ex-presidente Lula nesta semana. Ele está em Brasília para, dentre outros compromissos, articular com lideranças do Congresso Nacional o aumento do valor. Ainda nesse campo, Pacheco afirmou que pretende levar ao Congresso um programa de renda cidadã básica.

O terceiro grande ponto em debate foi a Medida Provisória 1.045/2021, que institui o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda, editada pelo governo federal e publicada no Diário Oficial da União na quinta-feira (28). Neste ponto, as centrais reivindicam maior participação dos sindicatos nas negociações coletivas, visto que a normativa da gestão Bolsonaro-Guedes praticamente exclui a representação dos trabalhadores.

Categorias
Últimas Notícias

Live do Trabalhador promovida pela Fetraf RJ/ES tem participação expressiva da categoria bancária

A Live realizada pela Federação dos Trabalhadores do Ramo Financeiro dos Estados do Rio de Janeiro e Espírito Santo (Fetraf RJ/ES) no dia 1o de Maio, Dia do Trabalhador, sábado passado, foi um sucesso.

O evento foi transmitido pelo canal no Youtube da Fetraf RJ/ES e contou com a presença dos renomados sambistas Neguinho da Beija-Flor e Moisés Santiago. O vídeo teve mais de 1300 visualizações.

Durante a transmissão, diversos políticos, dirigentes sindicais e representantes dos sindicatos da base da Federação, deixaram seus depoimentos para a categoria bancária. Além disso, quem estava assistindo ao vivo, pôde interagir pelo bate-papo que foi disponibilizado na plataforma.

O Presidente da Fetraf RJ/ES, Nilton Damião Esperança, vibrou com a participação expressiva da categoria bancária na Live: “O Dia do Trabalhador é um dia marcante para toda a classe trabalhadora. Dia de celebrarmos o que já foi conquistado, nossas lutas passadas, mas também é espaço para a diversão. E nada melhor que um ritmo popular, que tem a cara do trabalhador, para que tivéssemos um sábado mais feliz. Obrigado a todos que participaram. Foi lindo o evento”.

Para quem quiser assistir novamente, é só acessar o link: https://youtu.be/TZ3Gjyk54zI

Categorias
Notícias da Federação

Eleições da Fundação Itaú-Unibanco começam na quarta (5)

As eleições da Fundação Itaú começam na próxima quarta-feira (5), por voto digital. Até o 13 de maio, os bancários ativos e assistidos poderão escolher os representantes dos participantes ativos, autopatrocinados, optantes pelo BPD e em fase de opção e dos participantes assistidos no Conselho Deliberativo, no Conselho Fiscal e nos Comitês de Planos.

A ampliação da representação dos participantes nos Conselhos e criação dos Comitês de Gestão por grupos de plano é uma conquista dos funcionários do Itaú-Unibanco, depois de muita negociação e muitas lutas. O movimento sindical sempre teve a convicção de que podia melhorar a Fundação Itaú-Unibanco, aumentando a fiscalização, ampliando a representação dos participantes e conquistando melhorias contínuas nos planos.

Poderão votar os bancários ativos e assistidos, que sejam participantes da Fundação Itaú e estejam alocados em um plano. Cada eleitor poderá votar apenas uma vez, independentemente do número de benefícios que receba da Fundação.  Para a votação nos conselhos, o participante vota na chapa. Já para a eleição dos Comitês de Gestão de Planos, o voto é individual.

A votação será virtual, somente pelo site: www.fundacaoitauunibanco.com.br, com o participante utilizando sua senha cadastrada junto à Fundação. A apuração será dia 13 de maio e a divulgação dos eleitos entre os dias 14 e 17 de maio.

Em caso de dúvidas, ligue para os telefones da Fundação: Capitais e regiões metropolitanas 4002-1299; demais localidades 0800 770 2299; deficientes auditivos ou de fala 0800 770 2399.

Categorias
Últimas Notícias

Caixa se pronuncia, mas não confirma data de vacinação contra gripe para os empregados

Depois da cobrança do Movimento Sindical, através da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), a Caixa enviou, na última quinta-feira (29), comunicado sobre a campanha de vacinação contra a gripe H1N1, mas não confirmou a data de início da imunização.

Segundo o documento enviado pela Caixa, a campanha está em licitação e não há previsão de reembolso ou vacinação para os dependentes. O reembolso será permitido somente para o empregado ativo, excluindo os aposentados da campanha. O início da vacinação está previsto para 14 de maio. O cronograma será divulgado pela Gipes/Ripes após o resultado do certame.

O empregado que quiser antecipar a vacina em clínicas e laboratórios pode solicitar reembolso a partir do dia 3 de maio e até 30 de julho. Para isso, a vacinação deve ser ministrada entre 1 de março de 2021 a 30 de junho deste ano. O valor do reembolso será feito pela conta salário e é limitado a R$ 95,00 ou ao valor pago, o que for de menor valor.

A coordenadora da Comissão Executiva dos Empregados (CEE/Caixa), Fabiana Uehara Proscholdt, critica o comunicado enviado pelo banco. “A Caixa foi o último banco a se pronunciar a respeito e, mesmo assim, foi depois da cobrança das entidades e dos empregados. Além do atraso, sequer confirmou o início da campanha, já que ainda está em processo de licitação”, informou.

Outra crítica da Comissão é sobre a exclusão dos aposentados da campanha. “É um absurdo que isso aconteça. Em anos anteriores os aposentados também podiam vacinar dentro do programa da Caixa. O banco tenta se justificar informando que são determinações de órgãos externos, mas é lamentável que a direção da empresa não busque alternativas para promover a inclusão deste público que reduz os custos com a utilização do plano de saúde”, ressaltou o integrante da CEE/Caixa e presidente da Apcef/SP, Leonardo Quadros. Ele destaca que a imunização deste público traria benefícios a própria Caixa, já que é uma ação preventiva que reduz os custos com o plano de saúde.

Edson Heemann, integrante da CEE/Caixa, reforça que a vacinação é urgente. “Já estamos em maio e a Caixa sequer confirmou o início da vacinação, enquanto os outros bancos já estão vacinando seus funcionários. Isso mostra que as falas do presidente Pedro Guimarães sobre valorização do empregado ficam só no discurso. É preciso respeitar os trabalhadores”, destacou Edson.

Fonte: Contraf-CUT

Categorias
Últimas Notícias

Calendário de saques do auxílio emergencial começa nesta sexta-feira

Os saques da nova rodada do auxílio emergencial começam nesta sexta-feira (30). Inicialmente os pagamentos estavam previstos para começar no dia 4 de maio (confira tabela abaixo). Como a ordem de liberação segue o calendário de nascimento, os primeiros a poder fazer a retirada serão os beneficiários nascidos em janeiro. A programação continua na segunda-feira (3), com os nascidos em fevereiro, e segue nos demais dias de semana até 17 de maio, para quem é de dezembro. Os valores vão de R$ 150 a R$ 375 por parcela, dependendo da família.

Para o beneficário conseguir o acesso ao dinheiro, terá de usar o aplicativo Caixa Tem seguindo os mesmos moldes da rodada anterior, em 2020. Após acessar o aplicativo, deve-se clicar em “saque com cartão” e digitar o valor desejado. Será informado um código, necessário para fazer o saque nos terminais de autoatendimento da Caixa Econômica, lotéricas ou nos correspondentes Caixa Aqui. O beneficiário também pode comparecer em uma agência para solicitar o código.

divulgação / Caixa Econômica Federal
Calendário de saque da primeira parcela (divulgação / Caixa Econômica Federal)

É possível também transferir o valor para outra conta bancária pelo Caixa Tem, usando TED, DOC ou Pix. A transferência é feita sem o pagamento de tarifa. Segundo a Caixa, o dinheiro normalmente entra na conta indicada no dia seguinte de manhã.

Os valores são de R$ 150 para quem mora sozinho; mãe solteira que sustenta a família tem direito a R$ 375 e as demais famílias recebem R$ 250. No total, serão quatro parcelas mensais.

Beneficiários do Bolsa Família

Para os beneficiários do Bolsa Família, o pagamento ocorre de forma distinta. Os inscritos podem sacar diretamente o dinheiro nos dez últimos dias úteis de cada mês, com base no dígito final do NIS.

O pagamento da primeira parcela aos inscritos no Bolsa Família começou no último dia 16 e segue até esta sexta. O auxílio emergencial somente será pago quando o valor for superior ao benefício do programa social.

Fonte: Rede Brasil Atual